quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

O Ciclo

Do resto se fez vivo
Do vivo se fez obra
A obra se fez eterna
O eterno se fez invisível
E sobrou a sua sombra
Sua lembrança
Sua lembrança o tornou duvidoso
E o resto continua aqui
E a lembrança o torna resto
E o resto insisti em ser resto
Por medo de se tornar duvidoso
Até que o eterno retorne
Se faça resto e leva consigo um pedaço
Deixando o resto menos resto
Até sumir e ser todo eterno

2 comentários:

Renato disse...

É engraçado querer ser lembrado depois de morto... mas não quero divagar.

Comprei um presente pra ti. tenho medo que não gostes. Mas não diz pra ninguém. Não tive dinheiro pra presentear mais ninguém decentemente. :P

lorena disse...

Vens? To nos telefones (91) 8404-3698 e 3224-4650.

Beijo.