sábado, 27 de março de 2010

O que tenho que superar

"Existe uma primeira forma de suicídio que a Antiguidade sem dúvida conheceu, mas que se desenvolveu sobretudo na época atual: o Raphaël de Lamartine nos oferece um tipo ideal dessa forma de suicídio. É caracterizada por uma forma de indolência melancólica que distende as molas da ação. O sujeito exprime um diferença e uma repugnância pelos negócios, pelas funções públicas, pelo trabalho útil e pelos próprios deveres domésticos. Repugna-lhe deixar de ser ele próprio. Em compensação, o pensamento e a vida interior contrabalançam a falta de atividade. Voltando as costas ao que o rodeia, a consciência concentra-se sobre ela própria, considera-se como seu próprio e único fim e dedica-se à tarefa de observação e análise interiores. Mas, em virtude dessa enorme concentração, torna ainda mais profundo o fosso que a separa do resto do universo. A partir do momento em que o indivíduo se apaixona até esse ponto por si próprio, desliga-se cada vez mais de tudo aquilo que não é ele para se consagrar ao isolamento em que vive, tornando-o, desse modo, maior. Não é olhando unicamente para si que poderá encontrar motivos que o levem a interessar-se por outra coisa além de si próprio. De certa forma, qualquer movimento é altruísta, pois é centrífugo e faz expandir o ser para fora de si próprio. Pelo contrário, a reflexão tem qualquer coisa de pessoal e de egoísta: pois só é possível a medida que o indivíduo se liberta do objeto e se afasta dele para regressar a si próprio, e é tanto mais intenso quanto esse retorno sobre sua pessoa é mais completo. Só se pode agir se se estiver integrado no mundo; pelo contrário, para pensá-lo é necessário que não se esteja confundido com ele, de forma a poder contemplá-lo do exterior; e com mais razão isto é necessário para se pensar a si próprio. Portando, todo aquele cuja a atividade se concentra no pensamento interior torna-se insensível a tudo que o cerca. Se ama, não é com o fim de se dar, de se unir em uma união fecunda com alguém que não ele; é para meditar no seu amor. As suas paixões só são aparentes porquanto são estéreis. Dissipam-se em vãs associações de imagens, sem lhe produzir nada que lhes seja exterior"

Durkheim - O Suicídio

Um comentário:

Lorena disse...

Leo... Saudades também.

Sobre "As palavras e as coisas", eu também comecei a lê-lo ano passado mas não fui até o final. Estava na bibliografia do curso que fiz sobre Kant. Acho que começar Foucault com ele é meio como colocar a carroça na frente dos bois. É um livro avançado, realmente. Então, em vez de ler textos introdutórios sobre esse livro, acho mais efetivo leres os primeiros livros do Foucault. Quando eu pretendia estudá-lo, falei com algumas pessoas e fixei a sequência: "A ordem do discurso", "A verdade e as formas jurídicas" e "Vigiar e punir". Mas abandonei esse plano quando decidi ser feliz e estudar Dostoiévski e os russos. :P

Por aqui tá tudo meio zonzo... em vários sentidos... num outro momento eu te explico melhor.

Beijos.