sexta-feira, 27 de junho de 2008

Passos

Triste
Ando, penso
Calo
Pelos cantos
Fumaça
Fumaça
Pelos cantos
Caço
Pelo olho
Devoro
Pelo pensamento
-
Procuro
Encontro
Não basta
De novo
Encontro
Não basta
Pergunto
Não
Desisto
Desgraça
Dia novo!
-
Triste
Ando, penso
Falo
Pelos bares
Escuto, calo
Razão?
Fumaça
A razão vira fumaça
Ando, corro
Tropeço
Amo, morro
Esqueço
Obrigado
De nada
De nada?
Disponha
Vergonha?
Máscara
Tudo é uma máscara
-
Tu
Nu
Cama
Sonho
Acordo
Vejo
Desgraça
Levanto, ando
Desgraça
Calo, como
Engulo
Fumaça
Cuspo
Fumaça
Respiro
Fumaça
-
Morto
Vivo
Dois
Junto
Amor
Esqueço
Obrigado
De nada
Invento
Lembro
Maldito!
Máscara!
-
Morte, morte
Esqueço
Talvez
Solução
Vivo
Pulsa
Tempo
Morte

2 comentários:

lorena disse...

"Conseguir expor isso de tal maneira faz se apegar à fonte."

Na melhor das hipóteses, sim. Normalmente, sim. Mas também pode acontecer de os detalhes saturarem a tua percepção de modo que desenvolves intolerância à fonte. O perigo do excessivo. Para sensibilidades excessivas o trauma vive à espreita. Então, ter cuidado com os detalhes. Fechar os olhos, não captá-los, desconscientizar-se. É em geral o que tenho feito: não amado tanto, tudo.

Minha auto estima vem sendo minada nos últimos tempos -- ela andava boa demais.

lorena disse...

Tu que me ligaste, né? O celular tava no silencioso. Só vi a chamada perdida antes de dormir (depois do e-mail) e pensei: "é, a chave de ouro do meu dia: perdi a ligação do Leone!"